História da Escola

Escola

A Escola Profissional da Fundação Dona Mariana Seixas foi criada ao abrigo do Decreto Lei n.º 04/98 de 08 de Janeiro, em 07 de Outubro de 1999 com Sede em Viseu e uma delegação ou pólo em Castro Daire. Hoje, com a designação de Escola Profissional Fundação Mariana Seixas tem como entidades proprietárias O Grupo GPS e a Fundação Dona Mariana Seixas. A Escola Profissional é uma instituição de natureza privada, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa, financeira e pedagógica nos termos da lei.

Como Escola Profissional financiada por fundos públicos nacionais e comunitários a EPMS é uma entidade prestadora de Serviço Público de Educação e Formação.

A EPMS tem como missão no seu Projecto Educativo:

"Criar, desenvolver e manter formas de cooperação com entidades do tecido sócio-económico e autoridades educativas que conjugadas com o empnhamento da comunidade escolar permitam a concretização de projectos que formem técnicos competentes que sejam simultaneamente cidadãos conscientes, responsáveis e participativos na comunidade."

O Projecto Educativo da EPMS tem como objectivos gerais:

1 . Proporcionar uma via alternativa de ensino, cuja conclusão permite, quer uma certificação de Nível III da União Europeia, quer o prosseguimento de estudos.

2 . Oferecer percursos qualificantes de Educação/Formação que permitam a reorientação de percursos formativos a jovens em risco de insucesso e abandono escolar sem qualificação académica e profissional, proporcionando-lhes a possibilidade de obterem uma certificação profissional de nível II ou III da U.E. e uma equivalência a habilitações académicas de nível básico ou secundário.

3 . Garantir uma formação de qualidade aos jovens nas vertentes humana, científica e técnica, capaz de os integrar na vida activa e/ou prosseguimento de estudos.

4 . Facultar aos alunos uma sólida formação profissional, através da promoção do trabalho em equipa e do contacto com o mundo do trabalho, designadamente através da realização de estágios.

5 . Participar na tarefa de requalificação e certificação de adultos activos ou desempregados em busca de reconversão profissional.

6 . Criar, desenvolver e manter formas de colaboração com entidades do tecido sócio-económico, com vista à concretização de projectos de formação de indivíduos qualificados que respondam às necessidades do desenvolvimento integrado da região.